Mycobacterium e Aspergillus podem ser co-isolados, mas muitas vezes não são responsáveis ​​por co-infecções.

Aspergillus e Mycobacterium são frequentemente vistos juntos em amostras respiratórias, como escarro. Isso é conhecido como 'isolamento concomitante'. A relevância disso em termos de infecção, progressão da doença ou efeito em outras condições pré-existentes, como bronquiectasias, DPOC ou asma, é pouco compreendida no momento. Há até um debate sobre se isolar ambos os organismos da mesma amostra significa que um ou ambos estão causando infecção ou simplesmente que ambos estão vivendo no indivíduo sem causar um problema.

Um novo estudo de pesquisadores na França tentou entender com que frequência ocorre o isolamento concomitante e entender melhor o que isso significa para os pacientes e seus resultados clínicos.

O estudo analisou 1384 pacientes em um hospital perto de Paris que tem culturas positivas para Aspergillus (896) e Mycobacterium (488), durante um período de 3 meses.

50 pacientes tiveram pelo menos uma cultura positiva para ambos Mycobacterium e Aspergillus. O mais comumente isolado Aspergillus espécie foi Aspergillus fumigatus (33). Sete pacientes do estudo tinham aspergilose pulmonar. Um terço estava imunocomprometido e 92% tinha uma doença pulmonar subjacente, como bronquiectasia.

Classificação de infecção pulmonar ou colonização por Mycobacterium spp. e Aspergillus spp. co-isolados em amostras respiratórias de 50 pacientes.

Os autores analisaram dados de amostras de sangue, microbiologia e exames para distinguir colonização de infecção. Eles concluíram que, embora os casos dos dois organismos que causam infecções ao mesmo tempo sejam raros, é muito importante realizar todos os testes e acompanhamentos disponíveis e discutir casos de co-infecção ou co-colonização em reuniões de equipe multidisciplinar para garantir que as melhores decisões terapêuticas são tomadas. Isso é especialmente importante porque o desenvolvimento de aspergilose crônica pode piorar os resultados para pacientes já infectados com Mycobacterium. Diagnóstico precoce de PCR para pacientes com Mycobacterium é crucial.

Além disso, os autores observam que condições pulmonares crônicas, como bronquiectasias, podem aumentar a probabilidade de co-colonização e, portanto, é necessário mais trabalho para entender como os dois organismos interagem entre si no pulmão.

Mais estudos também são necessários para ver se esses resultados são os mesmos em outros centros de saúde e hospitais e para ver quais diferenças, se houver, são observadas em pacientes colonizados ou infectados por apenas um organismo e ambos.

Leia o artigo completo no site Aspergillus.

Deixe um comentário